quarta-feira, 12 de julho de 2017

Vozão joga mal, perde o jogo e não entra no G4


O JOGO

O Inter deixou um ambiente hostil, com requintes bélicos, no Beira-Rio em busca de uma recuperação cada vez mais urgente na Série B, diante do Ceará, pela 13ª rodada. E a encontrou bem distante de Porto Alegre, no Castelão, em Fortaleza. No embalo de seus atacantes, que dissiparam um jejum de 500 minutos sem marcar, o Colorado fez prevalecer sua campanha de melhor mandante da competição e bateu o Vozão por 2 a 0 nesta terça-feira. William Pottker e Nico López – em um golaço – anotaram o gol do triunfo, após dois tropeços colorados em casa.

NA TABELA...

Com a vitória, o Inter ultrapassa o próprio Ceará e sobe para a quinta colocação, com 21 pontos, ainda a dois do América-MG e do Vila Nova, terceiro e quarto, respectivamente. O Vozão, por sua vez, cai para sétimo, com 18 pontos.

PRÓXIMOS JOGOS

As duas equipes só voltam a campo no próximo sábado, pela 14ª rodada da Série B. O Ceará recebe o Juventude, em casa, no Presidente Vargas, às 19h. O Inter, por sua vez, ruma a Maceió para encarar o CRB mais cedo, às 16h30, no rei Pelé.

XÔ, ZICA!

Os atacantes do Inter entraram em campo pressionados por um incômodo jejum de 522 minutos sem balançar as redes. E a seca perdurou por apenas mais 11 minutos, graças a William Pottker. O camisa 99 apareceu como um homem do ofício na pequena área para aproveitar cruzamento de Edenílson, da direta. Ah! Vale ressalta o mérito de Cláudio Winck, na cobraça rápida de lateral na origem da jogada.

NOVO ARTILHEIRO

Por falar em ataque, Nico López deixa o Castelão com motivos a comemorar. E não apenas pela plasticidade de seu golaço, ao emendar de primeira uma sobra de escanteio para acertar o ângulo. O tento é seu 13º na temporada – e o quinto na Série B – e o iguala a Brenner como artilheiro do Inter em 2017.

PRESSÃO EM VÃO

Atrás no placar, o Ceará se lançou ao ataque para pressionar o Inter – algo natural para quem está em desvantagem dentro de casa. O Vozão procurou explorar bastante os lados do campo, com cruzamentos que até surtiram efeito, em finalizações com perigo de Pedro Ken, ainda no primeiro tempo. No segundo tempo, o Colorado se retraiu ainda mais, e os donos da casa tiveram de apelar para chutas de média distância para ameçar. Em vão.

AÍ, NÃO PODE

A partida desta terça-feira ainda ficou marcada por um momento de irresponsabilidade da torcida do Ceará. Por volta dos 14 minutos do segundo tempo, os torcedores do Vozão acenderam sinalizadores, que fizeram o árbitro paralisar o jogo por três minutos.

DEU LIGA

Guto Ferreira completou seu 10º jogo pelo Inter nesta terça-feira, enfim com a oportunidade de repetir a escalação no comando da equipe. Deu liga. O Colorado até sofreu com a pressão do Ceará, mas teve qualidade para construir 2 a 0 ao natural no primeiro tempo e, assim, voltara vencer após dois tropeços no Beira-Rio.

PRIMEIRO TEMPO

Marcelo Chamusca pediu motivação extra ao Ceará diante de um adversário "de camisa". E a equipe trazudiu o discurso em 10 minutos iniciais de pressão, com investidas pelos lados bem contidas pelo Inter. Seguro na defesa, o Colorado – enfim – fez prevalecer o talento de seus atacantes, mesmo com dificuldade na criação. E graças à inteligência de Cláudio Winck. Aos 11, o jovem cobrou lateral rápido para Edenílson, que saiu livre nas costas da zaga e cruzou na medida para Pottker apenas empurrar para as redes. Não parou por aí. O Colorado seguiu pressionando e ampliou a vantagem aos 19, com um golaço de Nico López após cobrança de escanteio. Depois, Pottker ainda mandou bola no travessão. E parou por aí. O Colorado se retraiu no campo de defesa e foi pressionado pelo Ceará, que criou duas boas chances em cabeçadas de Pedro Ken, e em um chutaço de Carioca, já nos acréscimos.

SEGUNDO TEMPO

O Ceará fez o natural a uma equipe em desvantagem dentro de casa e voltou do intervalo em cima do Inter para pressionar em busca do empate. E o Colorado fez bem a leitura da postura rival ao se fechar, compactado, em frente à área de Danilo Fernandes. Sem espaços, o Ceará apelou para cruzamentos e para chutes de média distância. E levou perigo com Cafu e Magnata. Guto Ferreira, por sua vez, respondeu e mandou a campo Diego e Juan, nas vagas de Nico López e D'Alessandro para explorar os contra-ataques. E o Colorado o fez. Em meio a certa pressão, os visitantes criaram três boas chances, todas desperdiçadas pelos atacantes. Diego, Cláudio Winck, Fabinho e Juan desperdiçaram na cara de Éverson.